Programa Voto em Casa "sente-se em Casa" devido à pandemia

Marcelo Adnet: quadro criado humoricamente em casa por causa da pandemia (globoplay/reprodução)

ambientes domésticos, como o quintal e o espaço, são hoje os cenários de gravação de Marcelo Adnet. Far from the Globes ' Estúdios, assim como todo o elenco da emissora, por causa da pandemia, por causa da pandemia, o ator e humorista transformou sua casa, no Rio, no set de Sinta Home, disponível no Globoplay e aberta a não assinantes.

Sucesso nas redes sociais e com direito a mostrar trechos no Encontro com Fátima Bernardes, na Globo, a revista mood da Adnet é um produto essencialmente de isolamento. " O projeto chegou em casa, eu já tenho 'quarentenado', com alguns vídeos parodiando a situação política do Brasil ou do BBB. Vídeos bem cursinho ", diz Adnet, ao Estadão.

O Globoplay sugeriu então que transformasse essas experiências em um produto para streaming, de segunda a sexta-feira.

" Eu falei, beleza, vamos fazer bem simples, eu sou um minutesie, dois minutins de casa. Só que acontece que a Crônica do Brasil tem sido tão acelerada e tão louca. Eu também acho que foi correto dar certo, como ele faz, e lá nós fazemos bem mais de um minuto ou dois ", explica o humorista.

" Temos várias complexidades no programa. Comprei um Chroma que ontem (na semana passada), já fiz a cena do Super Queiroz, estreando a Chroma, no roommate ", conta o humorista, em referência ao quadro em que voa Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, sobrevoando a casa em um colchão.

Adnet traz crônicas inspiradas em acontecimentos do Brasil e do mundo. Mas os números políticos que ele imita, como o presidente Bolsonaro, são seus bens mais importantes.

Aliás, ele é cada vez mais especializado nesse tipo de imitação, a partir do tutorial de sucesso dos candidatos que fez à Globo em 2018.

Também para Olímpia dos Gatinhos, onde Romarinho e Princesa &#8211aufgenommen se tornaram; resgatados assim que o programa começou-simulação de modalidades esportivas.

Em tempos de isolamento, a Feel em casa, conta com uma equipe bem reduzida. " Crio tudo: letras, personagens onde eu vou filmar, o camarim. Minha esposa Patrícia (Cardoso), que é a única a se colocar em quarentena comigo, grava com meu celular e também me ajuda nas caracterizações, figurinhas, direção de arte. " é um editor e um supervisor artístico. " Somos Quatro. "

Assim como o Adnet dedicou outros humoristas a projetos que caem em suas casas: mais enxutos, intimidação, sem mega-produção, entre outras coisas com características domésticas, como cenografia e figurinhas-e de acordo com os padrões de segurança.

Paulo Vieira, que terminou a série How to Lidar no domingo?, no lançamento para o Fantastic, na Globes, agora se prepara para estrear com Fernando Caruso Cada um em seu lugar, na Globoplay, em 3 de julho. De acordo com o humorista, a ideia é criar uma festa, uma mesa de bar, mas com todos na sua casa para criar.

" Tem um clima de muita não representatividade. Na seleção de convidados, chamamos acima de todos os amigos, pessoas com as quais gostamos de falar, que achamos engraçadas, para compor a melhor mesa de bar do mundo ", diz Vieira, ao Estadão.

" Nós alcançamos uma seleção de quatro amigos por episódio, e os convidamos para entreter-se lá fora, para falar sobre a vida. Para todo mundo comer e beber em sua casa. É muito divertido capturar isso. "

Mesmo com o Globoplay, Eduardo Sterblitch está antes da morte. Não tenha um talk show: o talk show, que está sempre disponível às sextas-feiras. Ele participa da edição do programa, além de aparecer na tela, para entrevistas, além de bater jogos e dinâmicas com famosos e anônimos. Tudo de sua casa.

O material que dá o estímulo o apelo vem de duas vidas semanais, realizadas nos perfis do GShow no Twitter e Facebook, nas segundas e terças-feiras, em torno de 22h.

" Eu acho que pode ser uma maneira de sermos criativos com essa pandemia, e não apenas consumir a informação que vem até nós. Esse momento de isolamento social também é uma oportunidade para que a gente permita que nossa criatividade se conecte, interaja, e para#8221;, diz Sterblitch, em material para pressionar.

Até mesmo a Zorra da Globo teve que se readaptar diante da nova situação. Com a pandemia, os tiros foram adiados, e o programa traz, junto com as reprises, tiros do elenco, em um aplicativo de conversação virtual.

Desafios

Outra série original de quarentena, Diário de um Confinado, escrito e protagonista por Bruno Mazzeo e dirigido por Joana Jabace, sua esposa, está em diferentes plataformas. Já disponível na Globoplay, a produção aos sábados ainda será exibida no Globo, a partir de 4 de julho; estreia no Dia 6 no multishow; e vai tomar pílula no GNT durante o mês. Idealizado por Joan, é levado para o apartamento onde o casal mora com as crianças, no Rio.

O Mazzeo interpreta Murilo, que, de uma hora para outra, tem que viver a vida inteira de dentro &#8211lösen; e a distância: terapia, bate-papo com amigos, engajamento profissional ". Tudo era um grande desafio. Começamos a criar por já criarmos limites, como o leasing, um único personagem, com toda a história que se estava a passar no mesmo universo. A vida familiar e o trabalho foram bem misturados. A única coisa que já é feita, de mim, de casa, e que eu faço muito, é o texto. De descanso foi toda novidade ", conta Mazzeo, em entrevista ao Estadão.

" Foi desafiador do figurino através de vídeo ligando, com a figurinista olhando para o meu guarda-roupa e cavalgando o Murilo com meu guarda-roupa até que eu peguei e editou. Record com as crianças aqui, com vida real depois de ... Olha, Desafio Didn-t-Miss. Adaptamos nossa casa, e ao mesmo tempo, também adaptamos as coisas para o texto, para coisas que tínhamos aqui. Não estamos nos Estúdios Globos, onde um cenário é construído, por exemplo, de acordo com a necessidade do texto. Aqui está o outro caminho. O que fazemos um pouco como as obras teatrais em que o ator é também a contrarregra ", completa.

Na trama, Murilo interage, de longe, com personagens vividos por nomes como Arlete Salles, Débora Bloch, Fernanda Torres, Lázaro Ramos, Lúcio Mauro Filho, Renata Sorrah." Esse foi outro grande desafio: a contracepção com os colegas, sem estar junto, olho no olho, com o calor e o intercâmbio que há no conjunto. "

Mazzeo acredita que a dramaturgia será ajustada após a pandemia. Que, por necessidade, as coisas ficam um pouco menores, com produções mais intimistas. " Para mim, foi muito importante, a experiência do Journal of a Confinado. Era a prova de que vamos nos adaptar e que a arte sempre se reinventará, de acordo com sua época, não menos em momentos de exceção ", ele observa. " No nosso caso, temos uma dramaturgia muito íntima e consequentemente muito humana, pelo fato de que não tem outros cenários, outros universos. Foi um voucher-para nós-do qual somos capazes de fazer. E isso vai ter que fazer daqui para a frente. Somos bons na realidade, não apenas pelo conteúdo, mas pela forma como fizemos a série. E eu estou muito orgulhoso disso. "