Após ações de liderança, torcidas organizadas planejam candidatos às eleições

Torcidas: A articulação dos tribunos contra Bolsonaro foi trazida pela sanção da lei que endurece os pênaltis para torcidas organizadas (CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO/Estadão Conteúdo).

Por trás da rua está a agir contra o presidente Jair Bolsonaro nas últimas semanas, torcides organizadas planejam lançar candidatos para eleições locais. Pelo menos 38 membros de times de futebol ' grupos de torcedores pretendem concorrer a vereadores em 20 cidades, de acordo com a Associação Nacional de Torcidas Organizadas (Anatorg).

Nos partidos políticos, há quem acredite que as torcedores organizadas possam ter uma boa votação. Em meio ao impacto do covid-19, não deve haver campanha de rua. A visibilidade que esses líderes dos protestos anti-Bolsonaro, especialmente nas redes sociais, podem ajudá-los a relembrar no dia da votação.

A articulação dos tribunais contra Bolsonaro é precedida da pandemia e foi estimulada pela sanção de veemência do presidente à lei 13.912/19, que agrava penalidades para os torcidos em casos de violência em estádios.

A rua reúne membros de Gaviões do Fiel, Alviverde Spot, Independente, Juventude Alegre dos Santos, Palmeiras Antifascistas, Democracia Coriniana e Porcomunas, além de outras organizações com bandeiras em defesa da democracia e pautas contra o governo federal.

" Estamos atravessando uma nova era, na qual os movimentos sociais são autônomos e têm a vida própria. Eles tendem a ter uma nova onda na organicidade da sociedade civil, " disse Alex Sandro Gomes, o Minduim, um Integral dos Gaviões da Fiel e presidente da Anatorg. A entidade reúne 214 dos 782 torcides uniformizados do país.

Veja também
  • Câmara aprova PEC que adia eleições municipais para novembroBRASILCâmara aprova PEC, as eleições locais para novembro movimentamquery_builder 01/07, 2020-18h07

Na Capital de paulista, o Anatorg apoia o movimento Nós somos a democracia, que somou as manifestações na Avenida Paulista e Largo da Potato contra Bolsonaro. O coordenador do grupo, Danilo Bird, da Fiel Gaviões, é uma das participações do PSOL na disputa em torno da Prefeitura de São Paulo.

" Em processos de instabilidade e manifestações, novos leads estão sempre surgindo. Assim, foi também no movimento pelo impeachment de Dilma Rousseff, em que Kim Kataguiri (vice do DEM e fundador do movimento Brasil Livre) e Carla Zambelli (bolsonarista e fundadora das Nas Ruas), " disse a deputada federal Renata Abreu (SP), presidente nacional do Podemos, o partido que pretende lançar, em São Paulo, o puxador de samba dos Gaviões da Fiel, Ernesto Teixeira.

Apesar de majoritariamente contra Bolsonaro, as torcidas também contam com setores pró-governo e outros que criticam o engajamento partidário das agremiações.

" As torcidas representam um movimento com grande repercussão, por isso é natural procurar a representatividade política. Mas eles estão divididos. Tenho muitas críticas por parte de Korsubers em relação a esses movimentos nas ruas &#8221gehört; disse o vereador paulistano Rodrigo Goulart (PSD), que é apegado aos Gaviões da Fiel.

Outra aposta na capital é o empresário André Azevedo, presidente da Dragões do Real, que negocia sua candidatura com o PCdoB.

" Você está intensificando os leads não convencionais nesta pandemia. Liderando a partir da greve dos motoboys, o movimento negro e o povo torcido formam um arco de resistência na luta democrática, de fora dos sindicatos tradicionais &#8221kommt;, disse o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP).