Bomba de ciclone deixa 10 mortos e rastro de destruição no sul

Bomba ciclone: Os ventos chegaram a 120 km/h na região sul ontem (Chapecó Prefeture/Desclosure/ Desclosure)

A bomba de ciclone , que atingiu o sul do país, matou pelo menos 10 pessoas e deixou um rastro de destruição na região. Nove pessoas morreram em Santa Catarina e uma pessoa no Rio Grande do Sul. O guincho chegou a 120 km/h, o equivalente a um furacão de categoria 1 na escala Saffir-Simpson. Rajadas de até 90 km/h são esperadas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, e na área do Paranaense.

Em Santa Catarina, foram registradas mortes em Chapecó (1), em Santo Amaro a Imperatriz (1), em Tijucas (3), Governador Celso Ramos (1), Ilhota (1), Itaiópolis (1) e Rio dos Cedros (1). Além de uma pessoa que está desaparecida em Brusque.

Veja também
  • “Ciclone bomba” no Sul pode causar mais estragos hoje – entenda o fenômenoBRASIL "Ciclone-bomba" no sul pode ser causado mais Havoc hoje-entenda o fenômenoquery_builder 01/07, 2020-08h07

Storm todas as regiões que restaram um rastro de destruição, com tempestades de árvores, Polônia e a profundidade das residências. Mais de 1,5 milhões de habitantes milhões de pessoas permaneceram sem energia elétrica. De acordo com o relatório da Defesa Civil estadual, em 83 municípios da Catalunha até 6h30 foram denunciados.

No oeste, a defesa civil em Xanxerê ocorreu em 15 municípios, enquanto em Chapecó o órgão registrou em dez cidades da área o estrago.

As coordenadas de Blumenau e Florianópolis participaram de depósitos em nove municípios. Os ventos fortes, que chegaram a 110k/h, garantiam a abertura de casas e escolas na região da capital. Em Palhoça, na região metropolitana de Florianópolis, 10 unidades de ensino foram afetadas e um ginásio balançou o telhado pela força do vento.

A brigada de incêndio se reuniu entre esta terça-feira e o 7h30 desta quarta vez para mais de 1,6 ocorrências. Mais de mil soldados estavam engajados nas obras neste período com a ajuda de 380 viaturas. Já a Central Elétrica de Santa Catarina, a Celesc, está com 300 equipes trabalhando para retomar o poder.

O ciclone foi alertado pela Marinha, que se comunicou com ondas de três e quatro metros no Gaúcho e Qatarinesuche.

"Ciclone Bomb"

O "bomba de ciclone" que passa pelo sul do país, ocorre quando a pressão atmosférica no centro do ciclone é muito rápida. Meteorologista Estael Sias, sediado em Metisul, diz que " quanto menor a pressão atmosférica em uma determinada área, mais ela tem a altura do ar e as nuvens carregadas. "

O fenômeno geralmente ocorre com contraste de temperatura. Há poucos dias havia calor histórico e agora há incidência de massa de ar polar potente, enfatiza Estael.

O evento é comum no inverno do norte da Europa e no nordeste dos Estados Unidos, onde recebe o nome Nem ' Páscoa.

No Atlântico Sul, está em latitude mais ao sul de onde ocorre agora, mais freqüentemente a sudeste do Rio da Prata, no litoral da Argentina, ou na Antártida, faixa de baixas. São esses ciclones que "sugam" ar muito frio e trazem queda de temperatura.

Isso explica a previsão para temperaturas negativas nas regiões mais altas das Serras gaúcha e catarinense.

O meteorologista adverte que nesta quarta-feira, 1º, o ciclone atinge a faixa leste de todo o sul do Brasil e até a costa paulista. Os riscos são vento forte e sensação de frio intenso.

Rio Grande do Sul

No Rio Grande do Sul, um trabalhador está enterrado na Serra Gaúcha na terça-feira. A morte aconteceu na cidade de Nova Prata, na região da Serra. A vítima vítima, Vanderlei Oliveira, de 53 anos, foi enterrada após deslizamento de terra. Ele trabalhava em uma construção quando um barranco desabou.

De acordo com a defesa civil estadual do Rio Grande do Sul, 1.035 pessoas estão fora de suas residências em 16 cidades. As comunidades mais afetadas são Vacaria, com 520 pessoas deslocadas, e Capão Bonito, do Sul, com 400 habitantes.

Em Iraí, no norte do estado, o vendaval jogou fora pelo menos 300 apartamentos, que afetam 250 famílias.

Devido ao forte Vendaval, quase 900 pessoas estão sem luz no estado. A prefeitura de Porto Alegre já registrou a queda de 23 árvores, assim como de paus e fios.

Ao tomar no oceano, a bomba de ciclone caiu em alerta na região litorânea do Rio Grande do Sul. "A bomba de ciclone é um centro com baixa pressão atmosférica de formação explosística, que é uma pressão de queda no seu centro mais rápido do que o normal", explica o meteorologista Estael Sias.

A previsão do tempo no Estado para esta quarta é de tempo instável e ventoso devido ao desempenho da bomba de ciclone no Atlântico.