Decisão sobre o foro de Flávio Bolsonaro será decidida no plenário do STF

Flávio Bolsonaro: O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro premiou o senador (Roque de Sá / Senatsagentur) instalações especiais.

O ministro Celso de Mello, da Justiça Federal (STF), decidiu nesta quarta-feira adotar um rito abreviado de um processo que questiona o lugar especial concedido pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ao senador eleito Flávio Bolsonaro (Republicano-RJ) e tem que respondê-lo diretamente em frente ao plenário da Corte.

O Ressortnetzpartei no STF recorreu, para que Flávio, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, tentou continuar em primeira instância na Justiça Federal Estado no caso da Rachadinha da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

O Decanter do STF pediu a participação no assunto com o intuito de instruir o processo do processo pelo plenário. No entanto, a avaliação não deve ocorrer até agosto, porque o Supremo desta quarta entrou no aprofundamento forense.

" (...) Dentro de 10 (dez) dias, ouça o órgão a partir do qual a normativa Precept ora neste assento de controle abstrato foi desafiada: a Assembleia Legislativa de Augusta do Estado do Rio de Janeiro. Faculdade do Egrégio-Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro a possibilidade, no prazo de 10 (dez) dias, sobre o " clarificar a aplicação das normas estabelecidas na sua competência, para querer estar em centros de informação oficiais ". "

Veja também
  • ECONOMIASalim Mattar diz que covid-19 atrasou a privatização, mas o foco é o mesmoquery_builder 01/07, 2020-17h07

Este rito abreviado ocorre quando o relator do processo acha que é relevante julgar o caso diretamente sobre o seu mérito, sequestrando a análise da insolação.

O caso da chamada Rachadinha ganhou recentemente após a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio-Legislativo.

Há outra frente que é sobre o foro especial do senador. O Ministério Público do Rio também recorreu ao STF, que está questionando o foro de Flávio Bolsonaro, e este caso está sob o comando do ministro Gilmar Mendes. Ele solicitou informações ao TJ do Rio, a fim de instruir o processo.