Dibrate e a presença indispensável das mulheres (também) no esporte

O esporte passa por enormes transformações. Algumas delas são típicas e perfeitamente combinadas com o momento em que vivemos. Outras transformações, no entanto, apresentam-se com enorme atraso. O protagonismo, que é conquistado pelas mulheres, com muito esforço, freia, é um deles. É notório que vivemos em um ambiente esportivo que, ainda em sua esmagadora maioria, dá aos homens um dos mais importantes, a prioridade financeira na transmissão de eventos, na gestão, no desenvolvimento técnico e em outros aspectos.

Ainda assim, temos vozes, cada vez mais potentes e essenciais para nos lembrarmos dessas diferenças. O Executive Sport desta semana entrevista Angélica Souza, co-fundadora da Dibradora do Canal. Este que vos escreve é fiel seguidores de seu conteúdo, basicamente os escritos. É um aprendizado constante. E tais vozes potentes vieram, felizmente, por mais e mais pessoas. Para se ter uma ideia, o podcast Dibradoras tem uma média mensal importante de 10 downloads e, é claro, parte dele, que os espectadores não consomem o conteúdo sozinhos. No Instagram, já são mais de 100 seguidores, com até 10 pessoas organicamente alcanadas, além dos publiposts. No Twitter, eles vão para os 50 seguidores.

Os Dibradores conseguem lidar com questões relevantes com uma visão que, lamentavelmente, precisa ser reforçada. Eles falam diretamente sobre quem está interessado na presença de mulheres nos esportes, não apenas para os atletas, mas para os líderes, profissionalmente das áreas de gestão tecnológica e esportiva, mulheres que estão fazendo esportes na imprensa, etc. Trata-se de um conteúdo sobre mulheres nos esportes sempre, não apenas em datas, antes de campeonatos ou vitórias. Porque como eles se reivindicam, as mulheres não estão vinculadas ao esporte masculino.

Em conversa, falamos de investimento, exposição, inserção e equilíbrio profissional, e sobre questões importantes que são discutidas, como comparar recordes entre homens e mulheres na mesma modalidade e também, caso do jogador Tifanny player no vôlei. De qualquer forma, me feche. Porque fundamental é ouvir eles. Com você, Angélica Souza, da Dibradores.