Objetivo das críticas, Salles cria programa Floresta + para promover a conservação

Ricardo Salles: ministro do Meio Ambiente é criticado por ação na pasta (Marcelo Camargo / Agência Brasil)

Em meio a críticas internacionais ao governo Jair Bolsonaro sobre a gestão da política ambiental brasileira, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, divulgou uma parcela em que cria o programa Forest +, que prevê medidas de combate ao desmatamento e inclui ressecamento de recursos financeiros para a promoção de medidas de proteção florestal, conforme publicado nesta sexta-feira no Diário Oficial da União Europeia.

O programa pretende estimular os pagamentos de#8220für privados para serviços ambientais em áreas com cobertura vegetal nativa e#8221zu ; e " a articulação das políticas públicas para a conservação e a proteção da vegetação indígena e das mudanças climáticas ".

Entre as diretrizes da floresta + está o incentivo à" consideração monetária e não monetária " Através de atividades para melhorar, manter e proteger a vegetação nativa da população, além de "estimular medidas de prevenção do desmatamento, da degradação e dos incêndios florestais por incentivos financeiros privados".

Veja também
  • Por que Decotelli caiu e Salles continua?BLOGSPor que Decotelli caiu e Salles continua?query_builder 30/06, 2020-20h06
  • BRASILJustiça quebra o free office bancário e a mãe de Ricardo Sallesquery_builder 11/06, 2020-19h06

Na sessão virtual da cúpula do Mercosul, na véspera da reunião, o presidente Jair Bolsonaro declarou que seu governo reverteria "opiniões distorcidas" sobre o país em questões como a proteção da Amazônia e dos índios. O presidente da França, Emmanuel Macron, se opôs ao apoio do acordo comercial União Europeia-Mercosul &#8211gewehrt, que apoia os 27 países-membros da UE e#8211benötigtto apóia a política ambiental de Bolsonaro.

Política Ambiental Bolsonaro e Salles ' Desempenho em frente ao Ministério do Meio Ambiente são alvos constantes de críticas de ambientalistas, principalmente por causa do alto desmatamento e queimaduras na Amazônia.

O número de focos na Floresta Amazônica do Brasil subiu 20% em junho e atingiu o nível mais alto em 13 anos no mês, disseram dados do governo divulgados nesta semana, e especialistas temem que isso sinalize uma repetição do incêndio de 2019. [nL1N2E81NS]

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) descobriu 2.248 vigas na floresta amazônica em junho deste ano, da década de 1.880 no mesmo mês em 2019.

Salles tornou-se alvo de críticas ainda mais duras após a divulgação de um vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, na qual defende que o governo aproveitaria a imprensa para relatar a pandemia de Covid-19, doenças respiratórias através do novo Coronavirus, focadas em "passar a boiada" em regulamentações ambientais e outras áreas.

Na entrevista à CNN Brasil sobre Quarta-feira, Salles havia dito que o programa Floresta + iria prever a remuneração de 500 milhões de reais para realizar as melhores práticas de preservação da Amazônia.

A Porterie publicou esta sexta-feira não citada valores explicitamente citados, mas diz respeito como um dos objetivos estratégicos da floresta + a implementação como um projeto piloto de pagamentos de serviços ambientais do programa na Amazônia direito com recursos provenientes de pagamentos para REDD + Resultados.

Com a ajuda deste programa, Países europeus têm incentivos financeiros para o Brasil em oposição a medidas de preservação o ambiente.

A Porterie prevê que os recursos para a implementação da Floresta + podem vir de diferentes fontes como cooperação internacional, além de promover as iniciativas de pagamentos por meio de serviços ambientais pelo setor privado.