Operação de segurança deixa 1.324 mortos na Venezuela em 5 meses, diz ONU

MICHELLE BACHELET: Bolsonaro se uniu a Nicolás Maduro nas críticas ao ex-presidente chileno / Rodrigo Garrido / Reuters (Rodrigo Garrido / Reuters Business)

As operações de segurança na Venezuela mataram pelo menos 1.324 pessoas nos primeiros cinco meses de 2020, disse a alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos nesta quinta-feira.

A alta comissária Michelle Bachelet, que tem um relatório de 17 páginas sobre a Venezuela submetido, em Genebra disse para ainda ser " preocupados com o elevado número de mortes de jovens pelas forças do seguro ", em relação às pessoas que teriam morrido enquanto resistência contra as autoridades.

Veja também
  • Guaidó vence disputa contra Maduro por 1 bilhão de dólares em ouroMUNDOGuaidó vence Competição contra Maduro por 1 bilhões de Milhões em ouroquery_builder 02/07, 2020-11h07
  • MUNDOVenezuela fará a eleição para o novo Parlamento em 6 de dezembro:query_builder 02/07, 2020-06h07
  • MUNDOCoronavirus avança na cidade da Venezuela já a colapsarquery_builder 25/06, 2020-13h06

Os dados oficiais da Venezuela mostram 6.710 homicídios em 2019 e 1.363 entre janeiro e maio deste ano.

Os dados " não inclui as mortes violentas no contexto de operações de segurança que se tornaram &#8216eingestuft ; resistência à autoridade " ", reafirmou o ex-presidente do Chile.

A partir das mortes em operações de segurança em 2020, pelo menos 432 da unidade de policiais especiais Faes, 366 foram designados para a polícia investigativa conhecida como CICPC, 136 foram designados para a Guarda Nacional e 124 da Polícia Estadual de Zulia, informou.

Jorge Valero, embaixador venezuelano na ONU e outras organizações internacionais em Genebra, disse que o relatório foi baseado em" perguntas infundadas " com o objetivo de " abastecer a agenda de agressão, que é contra o venezuelano e#8220;.