Para Diretor do BC, inflação de 2021 pode atingir o alvo

Fabio Kanczuk: "Troca de câmbio no Brasil é um pouco mais volátil do que em outros mercados emergentes" (Geraldo Magela/Senatsagentur)

O diretor de política econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, explicou que não vê contradição entre a comunicação da autoridade monetária e a projeção de inflação do BC apenas do centro da meta em 2021, em 3,2% contra 3,75% da meta central, porque em um cenário alternativo levando em conta o saldo de risco, a inflação é o alvo. No último comitê de política monetária (Copom), o BC sinalizou que considera adequado o nível econômico atual e que, se houver um novo ajuste, ainda serão estoques residuais.

" Não há contradição entre essas duas coisas. Para entender por que não há contradição, uma tem que olhar para o balanço de riscos, o que deixa claro que há uma assimetria de risco e#8221gibt; em videoconferências organizadas pelo Banco Safra e apontando para a introdução de um novo risco de que a política de composição de renda e de estímulo ao crédito poderia indicar um hiato da economia menor do que o BC tem no cenário de base, ou a queda da demanda menor do que no cenário de base.

Devido ao risco altista da inflação, o diretor citado também que o BC também monitora o risco fiscal.

Veja também
  • ECONOMIABC vê queda do PIB hefty em 1º semestre e Selic em limite mínimoquery_builder 23/06, 2020-08h06

De acordo com Kanczuk, o cenário em que a demanda não cai, tem tanto mais peso na balança de riscos, esta assimetria, citada na declaração de junho do Copom. " Em um cenário alternativo, a inflação de 2021 está se aproximando da meta a mais. O BC tem um cenário fundamental, mas há uma tendência que aponta para uma inflação mais alta em 2021. "

neutralidade tributária

O diretor da política econômica do banco central explicou que o atual risco fiscal do país tem mais peso sobre juros neutros, o que é considerado pela autoridade monetária como outros fatores que reduziriam a taxa de juros neutra, como o eventual aumento da produtividade." Os fatores que reduzem o juro neutro, mas na ordem de grandeza são menores do que o fator, aumenta o juro neutro, esse é o risco fiscal. Há a percepção do mercado de que em uma data posterior poderia haver problemas fiscais, que agora os colocam na atratividade dos títulos públicos e#8221einbeziehen;, disse ele.

Kanczuk reforou que, apesar do aumento neutro da taxa de juros, o flagelo da economia justificou a decisão do Copom de ter continuado o ciclo de cortes no selênio nas últimas sessões. "O aumento do hiato e da ociosidade mais do que compensou esse aumento do juro neutro e que motiva a decisão de redução da Selic nas últimas três reuniões," completou.

Bolsa

O Diretor de Política Econômica do Banco Central disse que, nas últimas semanas, a autoridade monetária tem pago bastante atenção na volatilidade do câmbio de câmbio. " independentemente do nível ou da tendência de subida ou tendência de queda, a volatilidade diária é bastante elevada, com um grande aumento dos pequenos contratos. Estamos tentando identificar um pouco, qual é a causa desse pico na volatilidade, em que sentido ele é eficiente ou não ", explicado em videoconferências organizadas pelo Banco Safra.

Para o diretor, é necessário entender primeiro o movimento, pensar algumas ações ao lado de BC. "A bolsa estrangeira no Brasil é um pouco mais volátil do que em outras economias emergentes" Também está concluída.

Veja também
  • Com a Selic a 2,25%, onde investir para a reserva de emergência?SEU DINHEIROCom uma Selic a 2,25%, onde investir em uma emergência. Reserve?query_builder 24/06 2020-05h06

O diretor da política econômica do Banco Central reforou que a intervenção do banco central no mercado de títulos secundários ocorrerá no caso da disfunção, como acontece no mercado de câmbio. De acordo com ele, o BC está "totalmente pronto" no mercado de títulos privados e públicos. " Não há obstáculo legal, podemos intervir em títulos daqui até 5, se precisar. "

Mas foi pensado que BC é a intenção de não fazer política monetária e muito menos fiscal, mas de agir no mercado em momentos de disfuncionalidade.

Kanczuk citou que esta é uma preocupação mundial, com o aumento da dívida pública devido às medidas de estímulo no contexto da crise de Coronavírus. Como o diretor com o aumento da quantidade de títulos públicos, o BC deve estar pronto para atuar, em conjunto com o Tesouro Nacional, em tempos de disfuncionalidade, para tornar os preços adequados. " Em termos de raciocínio, vemos a troca a mesma. "