Pressão, governo tenta explicar o desmatamento de investidores estrangeiros

Desmatamento: Governo quer provar que não está parado na luta contra o desmatamento e tem se comprometido a cercear a derrubada da floresta (Ricardo Funari / Getty Images)

Depois de ter sido ferozmente criticado por instituições financeiras internacionais que alertaram para o fracasso do Brasil em combater o desmatamento e os riscos de pegar investimento do país, o Bolsonaro, decidiu direcionar reação aos bancos.

O Estadão apurou que os ministérios do Meio Ambiente, da Agricultura, da defesa, do Judiciário e do Itamaraty já se reuniram para coletar dados, e a partir dessas informações uma carta de resposta é consolidada aos investidores. Uma reunião está marcada para a próxima semana, para cada ministério, para apresentar suas informações sobre o assunto. Na semana seguinte, um posicionamento oficial será encaminhado para os fundos internacionais.

Há duas semanas, uma carta assinada por 29 instituições financeiras, que administra mais de 3,7 trilhões de dólares americanos, foi entregue ao governo de Bolsonaro. No documento, os bancos declararam que o governo brasileiro deve frear o desmatamento na Amazônia, o risco de alimentos e#8220; uma incerteza generalizada sobre as condições para investimento ou a prestação de serviços financeiros para o Brasil ".

Veja também
  • ECONOMIAGuedes culpa quem "fala ruim" do Brasil para má imagem no ambientequery_builder 30/06, 2020-15h06

" Como instituições financeiras que têm o dever fiduciário de agir no melhor interesse de longo prazo dos nossos beneficiários, reconhecemos o papel crucial que as florestas tropicais desempenham no combate às alterações climáticas, na biodiversidade e na garantia do ecossistema serviços ", reafirma institutos na carta, que sob seus signatários o Legal & General Investment Management e Sumitomo Mitsui Trust Asset Management.

Os bancos foram ainda mais diretos e indicaram que "as obrigações do governo brasileiro provavelmente serão consideradas em alto risco quando o desmatamento continuar". À luz do aumento das taxas de desmatamento, os fundos declararam que " estão preocupados que as empresas que enfrentam potencial desmatamento em suas cadeias de operação e de abastecimento no Brasil estejam passando, cada vez mais, dificuldades para conquistar o acesso aos mercados internacionais e#8221haben;.

A resposta brasileira à carta foi discutida no início desta semana sob os ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles da Agricultura, Tereza Cristina, e dos Negócios Estrangeiros, Ernesto Araújo. O governo quer mostrar que não é alagado na luta contra o desmatamento e que colocou em prática a derrubada da floresta. A avaliação da cúpula do governo é que ela " Falta de compreensão e informação " sobre o assunto assunto e as medidas que ainda estão em execução.

Veja também
  • O Brasil que vai bemECONOMIAO Brasil, que vai bemquery_builder 02/07, 2020-05h07

Ontem, na reunião do presidente do Mercosul, Jair Bolsonaro declarou que estará em torno de um esforço de " retirada de opiniões e#8221bemühen; sobre a política ambiental brasileira em Abroad. " Nosso governo irá fornecer mais diálogo com diversos interlocutores para reverter opiniões tendentes a reverter opiniões sobre o Brasil e desvendar as medidas que temos a favor da proteção da floresta amazônica e do bem-estar das populações indígenas &#8221ergriffen ;, disse Bolsonaro na reunião, via videoconferência.

Desmatamento nos avanços da Amazônia neste ano e ultrapassa o caso do ano passado como a repercussão internacional da matéria. É o que mostram os dados obtidos por meio do Sistema de Detecção de Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real (Deter), ferramenta do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia.

O calendário do Inpe mede o desmatamento entre agosto e julho do ano seguinte. As últimas informações do órgão &#8211veröffentlicht ; com dados atualizados até 18 de junho, portanto ainda parcialmente-mostra que já substituiu 7.115 km² de floresta em agosto de 2019 a para a temporada Juli/2020, quase cinco vezes maior que a capital de São Paulo. Embora o ciclo ainda não esteja concluído e faltando 43 dias para o parcelamento final, já está ultrapassando o resultado verificado no ano passado, quando os concursos de Deter registraram 6.844 km².