Tecnologia positiva ganha lances de urna eletrônica brasileira

Hélio Rotenberg, presidente da Positivo Tecnologia: empresa ganhou urnas eletrônicas do TSE (Guilherme Pupo/Exame)

A Tecnologia Positiva pontuou uma picada de picada em sua história: pela primeira vez, será a empresa brasileira responsável pela fabricação das urnas eletrônicas. questionamento descobriu que a empresa foi agraciada com o contrato para a entrega de 180.000 cédulas eletrônicas para a eleição do Tribunal Superior (TSE).

A curitibana fez uma proposta comercial para entregar 180.000 urnas eletrônicas por 799.997.366,01 reais, enquanto a Smartmatic, com sede em Londres e sob a liderança do venezuelano Antonio Mugica, fez um lance de 1, 726, 326, 546, 33-real em janeiro de 2020. Atualmente, o TSE conta com 470.000 urnas, sendo que as novas são destinadas a substituir as fabricadas entre os anos de 2006 e 2008, somando 83.000 unidades. 

O prazo para a entrada com os recursos expirou na última terça-feira, e a tecnologia positiva será anunciada nos próximos dias como o vencedor da falha de licitação. As primeiras urnas da firma brasileira serão entregues para as eleições de 2022.

O valor da ordem poderia elevar a Positivo da Billing, que saiu da lesão no ano passado e beneficiou 20,8 milhões de reais.