Zé de Abreu é condenado a Tweet a Bolsonaro por hospital indicativo

Zé de Abreu: Sociedade Caridade Israelita Brasileira acionou a justiça e adiou o processo em primeira instância (Rafael Campos/Contigo/Divulgação)

A Câmara de Direito Privado 3ª do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou uma decisão de primeira instância que condenou o ator José de Abreu a indenizar o Hospital Albert Einstein em R$ 20 por danos morais.

Em janeiro de 2019, o ator declarou no Twitter que os esfaqueadores, o presidente Jair Bolsonaro sofria na cidade mineira de Juiz de Fora, durante a qual a campanha eleitoral teria sido criada pelo serviço secreto israelense com apoio da capital da capital paulista.

Depois da precipitação negativa do discurso, o ator acionou a postagem, mas a sociedade brasileira de caridade israelense acionou o Judiciário e ganhou a jogada em primeira instância.

Diante da decisão desfavorável, o ator apelou. um, alegou a defesa, que também do tribunal iniciando que foi rejeitada em junho. A decisão foi publicada neste sábado, 7.

A relatora do caso, Maria do Carmo Honório, apontou que o comentário ofensivo feito por uma pessoa pública com milhares de apoiadores está sangrando a repercussão negativa do discurso.

Em suas palavras: "indiscutivelmente as consequências negativas da publicação da denúncia e tendo em vista a imagem, a reputação e a reputação do queixoso, o saldo de danos-danos permanecem bem caracterizados".

Veja também
  • BRASILÉ aplicável responsabilizado por fake news, diz Maiaquery_builder 05/07, 2020-13h07

O magistrado destacou ainda que o episódio ocorreu imediatamente após o processo eleitoral, que trouxe às questões preliminares relativas ao poder das mídias sociais na disseminação de notícias falsas, sugerindo que o ator deveria ter tomado mais cautela em suas palavras.

"" Em que pese a liberdade de manifestação e de expressão é constitucionalmente garantida, este direito não é absoluto ou irrestrito. Todo cidadão, se um cotovelo, deve considerar que um eventual excesso deve ser administrável, mais ainda para o falso fato indignado, definido como um crime para qualquer um que saiba que não se compromete, " escreveu.

Em votação convergente, a saída Carlos Alberto Salles sustentou que ao atribuir fato insultuoso à reputação do hospital na rede social em que possui mais de 400 seguidores, ou por saber que se trata de algo virando, o ator produz desinformação real, d. h. conteúdo falso que eles intencionalmente espalhou ou executem, de forma consciente o risco de causar danos.

COM O WORD, ZÉ DE ABREU

A reportagem procura contato com o ator. A área está aberta para demonstração.